Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Quem Nunca o Fez Levante o Dedo...

por Clementine Tangerina, em 06.05.09

Um destes dias eu e a minha querida sogra estávamos a cozinhar e ela confidenciou-me que uma conhecida nossa tinha terminado uma relação de dois anos. Questionei-a sobre a pessoa, e o que a tinha levado a terminar a relação, e segundo ela tinha havido conflitos entre o casal, chegando mesmo a ofensas verbais e a violência física. Estranhei a situação e questionei-a sobre o estado emocional da dita rapariga ao que ela me disse que estava a viver um dia de cada vez, mas que ainda gostava muito do ex.
Achei um pouco ridícula aquela situação, visto a minha sogra me ter revelado alguns "details" sobre o dito namorado, que ao fim de 2 anos de namoro recusava-se a conhecer a filha da namorada, que nunca a apresentava a familiares próximos, durante a semana nunca se encontravam e raramente falavam. Acrescentou-me ainda que ele não primava pela gentileza com ela, que muitas vezes ela se sentia um autentico lixo.
Perante tais revelações só pude dizer "...mas que bela auto-estima tem a Maria..." sim porque para mim tudo se resume a um problema de auto-estima.
E é aqui que eu me pergunto, quando é que se dá o clique e se percebe que é a altura de passar a borracha por cima de uma história? Quando é que percebemos que o outro não nos merece?
No passado vive algumas histórias destas e como todos, tive que aprender a lidar com estas situações e a passar a borracha, umas vezes mais rápido que outras.
Mas nem sempre se deu o tal clique, algumas vezes o factor "tempo" ajudou a apagar e a secar as lágrimas, mas houve casos que de um momento para o outro percebi e pensei para mim mesma "...este tipo não vale nada, porque é que me vou estar a lamentar?"
Deveria existir um manual de sobrevivência para o fim das relações, do tipo " 1º passo : pegar fogo a tudo o que lhe fizer lembrar o "defunto"; 2º passo: mudar de hábitos e rotinas, 3º passo: conhecer novas pessoas e mudar de visual..." acho que seria um bom principio para a "recuperação". Mas nem sempre existe o tal manual, e há que fazer de tudo para ultrapassar e enterrar de vez o tal defunto, porque o principal é aprender que em primeiro lugar estamos sempre nós e ninguém tem o direito de nós humilhar e nos fazer pedinchar por atenção.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D