Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Será ?

por Clementine Tangerina, em 23.06.09

(...)
Andou horas e horas a pensar nas histórias que tinha vivido com Miguel, e o porque de tudo ter terminado tão rápido.
Pensou nos acontecimentos daquela tarde, e começou a procurar nos papeis antigos, a ver se conseguia encontrar o número de telemóvel dele.
Procurou, encontrou a tal agenda que sabia que tinham alguns contactos antigos e descobriu o número dele.
Sentou-se tranquilamente no sofá, cruzou as pernas e marcou o número:
- Estou! - disse do outro lado do telefone
- Estou, boa noite, será possível falar com o Miguel ? - Perguntou Gisela percebendo que não era ele.
- Ahh este já não é o número do Engenheiro, ele agora tem número de telefone confidencial!
- Mas era muito urgente, sou uma amiga de infância, precisava mesmo de falar com ele.
- Lamento minha querida, mas não posso mesmo ajuda-la!
- Ohh que chatice, demorei tanto a encontrar o número e agora não dá em nada.
- Se desejar posso ficar com o seu contacto e peço-lhe para lhe ligar assim que seja possível. Concorda ?
- Mas é claro, que concordo.

Gisela lá deixou o número de telefone e ficou durante horas e hora a olhar para o telemóvel na esperança que ele lhe ligasse. E nada.
Desistiu de conseguir falar com ele e agarrou-se ao computador onde lhe esperava muito trabalho atrasado.
Descarregou os emails e para sua surpresa Miguel tinha-lhe escrito.
" Gisela, não sei qual foi o teu objectivo ao ligares para mim, mas só posso prever que estejas arrependida da figura ridícula que vens a fazer nos últimos dias. Mais do que tudo sempre fui teu amigo, esquece o que se passou e pensa que apesar de termos sido o que fomos éramos amigos. Havia uma relação de confiança e amizade que sempre permaneceu entre nós. E por esse facto, não percebi a tua agressividade nestes últimos dias. Estive a reflectir e acho por bem nos afastarmos, a Maria está para chegar do hospital e não quero maça-la com fantasmas antigos.
Até breve!"


Gisela ficou perplexa com o email e a lata de Miguel falando até para si própria " ...mas desde quando é que eu sou um fantasma ? Desde quanto é que existia uma relação de confiança entre nós? depois de tudo o que me fizeste é claro que não há confiança nenhuma! Get a life.....raios mas porquê, porque é que me apareceste assim de repente e agora pensas "tá tudo bem"! Vai pró raio que te parta...vai morrer longe...era o que mais me faltava.".
Foi até ao quarto de banho, e refrescou a face, sentia-se esgotada, era muita coisa ao mesmo tempo, e ela sem espaço para respirar.
Decidiu responder-lhe ao email com o que tinha acabo de dizer para si própria...eram as palavras, segundo ela, que o fariam de certeza nunca mais dar sinal de vida e o de certeza que ele iria afastar-se para sempre!
Passou a noite em claro a pensar na troca de emails, se tinha agido correctamente mais uma vez, se tinha sido sensata e chegou à conclusão que definitivamente tinha sido o melhor a fazer.
Levantou-se com umas enormes olheiras como já esperava, tomou um duche rápido, enrolou-se no robe e tentou disfarçar com o corrector as olheiras que estavam mais profundas que nunca. Olhou-se ao espelho e disse " bem, o que vale é que este produto faz milagres, parece que dormi um dia inteiro...bem dito sejam as modernices da cosmética". Passou rapidamente pelo frigorífico bebeu um copo de sumo de laranja e tirou uma maça da fruteira e apressada rumou para mais um dia de trabalho.
Deu os bons dias ao senhor Aníbal, subiu no elevador com uma colega de gabinete e deixou cair a pasta mal entrou no seu escritório.
- O que fazes aqui ? - perguntou Gisela.
- Não gosto de situações mal resolvidas, e já me conheces muito bem para saberes disso! - Disse-lhe Miguel
- Olha vou ter um dia ocupado, como sabes tenho uma apresentação para fazer e tenho que finalizar hoje! - Tentou convence-lo Gisela.
- Lamento, mas nada me vai fazer sair daqui sem que as coisas se resolvam entre nós - Disse-lhe convicto
- Diz, e sê rápido! - Respondeu-lhe friamente Gisela
- Só quero que saibas que quando há uns anos te deixei tinha uma explicação, se bem te lembras eu já namorava com a Maria há muitos anos e tu apareceste numa altura que me sentia com dúvidas sobre a relação que tinha com ela, por um lado ela dava-me muita estabilidade mas por outro a nossa relação estava a tornar-se rotineira.
- Estabilidade ? Só se for financeira... - Provocou-o Gisela
- É claro que também foi financeira, como te recordas, não passava de um puto que queria vencer na vida, queria sair do campo e vir para a cidade, queria ser alguém, o meu sonho era ser tratado por engenheiro. E isso quer queiramos quer não só podia conseguir com a ajuda da Maria e do pai dela que sempre me considerou um filho. Não podia deixar para trás um sonho e fugir contigo, não podia. Havia muita coisa em jogo e isso era importante para mim.
- Queres dizer então que eu não fui importante para ti ?
- É claro que foste, caso contrario não estava aqui hoje, não tinha vindo falar contigo hà uns dias. A Maria sempre soube de ti, nunca soube ao certo quem tu eras e de onde tinhas vindo, mas sabia que tinha existido uma mulher na minha vida que me tinha deixado marcas para sempre. Como estava a dizer, com a ajuda do pai da Maria fui para a faculdade, e depois estive três anos a fazer um mestrado nos Estados Unidos e a Maria sempre que podia ia ter comigo. Vivemos praticamente uma relação afastada durante esse período, só estávamos juntos de tempos a tempos. O meu objectivo sempre foi regressar a Portugal e terminar tudo com ela, queria começar a trabalhar e pagar todos os gastos que tinham sido pagos pela sua família para não ficar a dever nada a ninguém. Mas infelizmente a Maria surpreendeu-me e quando regressei a Portugal ela já tinha tudo marcado, umas semanas depois era o nosso casamento. Na cabeça dela e da sua família fazia sentido, já namorávamos há mais de seis anos e aquele era o momento certo. Foram as semanas mais difíceis da minha vida, a minha eterna dúvida se continuava com ela ou se acabava com aquele teatro todo.
- Então e porque é que então casaste se não querias?
- Porque a Maria entretanto engravidou, parece que uma das vezes que ela foi ter comigo engravidou.
- Não sabia que tinhas filhos.
- Calma já chego lá. (...)

Autoria e outros dados (tags, etc)


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Joana a 23.06.2009 às 11:09

Tens de começar a pôr aquela parte... "cenas dos próximos capítulos" que a malta fica curiosa em saber o que vai acontecer!
:)
Sem imagem de perfil

De Goma a 23.06.2009 às 11:36

Concordo Joana!! Ia dizer o mesmo!! Hehehe!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.06.2009 às 12:07

concordo com a joana... fiquei bastante curiosa lol.. =)

Sofiazinha*
Sem imagem de perfil

De Clementine Tangerina a 23.06.2009 às 12:11

Bem que curiosas que estão...não sabia que criava tanta espectativa!

Pronto...as cenas dos próximos capitulos posso dizer que será o final...mas não garanto Happy End!
Sem imagem de perfil

De de Marte a 23.06.2009 às 13:15

podias é abrir um concurso!!
e as menninas seguidoras criavam, cada uma, um final alternativo, que tu ias publicando!

:)

era giro, não era??
Cada pessoa via a história com o final à sua medida. E ainda com o bónus de ter o teu final também!! :)
Sem imagem de perfil

De Tana a 23.06.2009 às 13:15

Curiosissima!!! Qual é a mulher que não fica curiosa? :P
Ele tem filhos...nem lhe disse... mas foi atras dela pra esclarecer as coisas..hum estou dividida, preciso saber o resto!
CONTAAAAAAAAAAAAA :P

beijinhos
Sem imagem de perfil

De Filipa a 23.06.2009 às 13:35

"Calma já chego lá." QUE NERVOS!!!
Minha Clemnetina, estás a ver porque é que eu não gosto de ver séries na TV? esta ansiedade mata-me... Edita lá o livro completo que eu sou a primeira a ir comprar! Vá...
Sem imagem de perfil

De tui a 23.06.2009 às 14:01

Gostei imenso, parabéns!
Estou em pulgas para ler o fim! :)

Se me permites, gostaria de te dizer uma coisinha.
Nesta frase: - “É claro que foste, caso contrario não estava aqui hoje, não tinha vindo falar contigo à uns dias atrás.”, “à uns tempos” é com “h”; referência a tempo é com o verbo haver. O “atrás”, nesta situação, não se usa; ao usá-lo transformamos a expressão num pleonasmo - a mesma coisa de “subir para cima”, estamos, desta forma, a dizer duas vezes a mesma coisa.

Beijinhos
Sem imagem de perfil

De Clementine Tangerina a 23.06.2009 às 14:53

Então vamos lá...

Tana: Já fiz esse jogo de começar as histórias e as leitoras acabarem... Tens razão vou lançar o desafio....! ;)

Tui: Obrigado pelas dicas de Portugues, volta e meia dou umas Calinadas no Português mas é bom ter leitores atentos e com quem aprendemos! ;)

Sô dona Filipa: Você é mt impaciente, calminha amiga calminha! Ouve a musica que está a tocar "tranquilo...tranquilo"...
Sem imagem de perfil

De Clementine Tangerina a 23.06.2009 às 14:54

Ups nao foi a tana que sugeriu o jogo mas sim a de Marte, sorry!

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D